quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

O mal em estado puro

Há pouco recebi um email de uma colega jornalista convocando para uma manifestação em frente ao consulado da Suíça no Rio de Janeiro. A ideia é demonstrar o quanto nós, brasileiros, deploramos o ataque neonazista sofrido pela advogada Paula Oliveira.

Não houve qualquer resposta à convocação da colega. Cada um tem sua vida, trabalho e preocupações. Mas não me lembro de nenhum episódio recente que merecesse uma resposta proporcional à barbaridade cometida contra a brasileira. Até nosso pacato povo precisa se mobilizar de vez em quando. Que não seja contra a corrupção – porque essa já passa despercebida mesmo, ao que parece – que nós todos nos levantemos contra um ato sórdido como este.

Paula não foi apenas vítima de uma desumanidade atroz, como também teve seus dois filhos assassinados antes mesmo de nascerem.

Tragicamente, a violência sofrida por ela ocorre num momento em que o Papa reabilita membros da Igreja que negam o Holocausto. Não faz muito tempo, o presidente iraniano promoveu um concurso de caricaturas para caçoar do Holocausto. 

O fato é que ataques neonazistas continuam a acontecer. No caso da Suíça, especificamente, a participação política do SVP – o partido nacionalista cujas iniciais foram marcadas à estilete no corpo de Paula – vem crescendo nos últimos anos. Dentre os objetivos da legenda, estão a oposição à presença de imigrantes e refugiados e também a proposta de isolar o país. O SVP defende, por exemplo, a exclusão da Suíça da ONU e da União Europeia.

Entretanto, o extremismo na Europa não é exclusividade Suíça. Pelo contrário. Nos últimos anos, atos neonazistas têm aumentado no continente. Mais do que simplesmente ser palco de ataques a imigrantes, a crise financeira fortalece opiniões que andavam em voga nos anos 1930 e foram fundamentais para a concretização do Holocausto.

Pesquisa realizada pela Liga Antidifamação, dos Estados Unidos, mostra que parte importante da população europeia partilha de uma mentira que se tornou verdade no período anterior à ascensão do nazismo. O estudo – realizado em sete países do continente entre 1 de dezembro de 2008 e 13 de janeiro de 2009 – mostra que 31% dos entrevistados acreditam que os judeus são culpados pela crise financeira global.

Diante das incertezas econômicas, os preconceitos se reinventam para continuar a existir. E a culpa é socializada entre todas as minorias que não compõem a imaginária e inexistente pureza europeia.

Histórico suíço

A relação entre a Suíça e o nazismo é mais estreita do que muitos podem pensar. Um estudo sobre o papel do país durante o nazismo composto por 26 volumes de documentos mostra que as relações das autoridades suíças com a Alemanha ajudaram a prolongar a guerra.

Mais ainda, a pesquisa conclui que cerca de 110 mil refugiados judeus que tentaram entrar no país tiveram acesso negado, mesmo com o conhecimento por parte do governo suiço de que seriam enviados para campos de concentração.

No campo financeiro, os bancos suíços confiscaram o dinheiro de 500 mil judeus que, antes da guerra, tinham conta nas instituições. Posteriormente, os bancos se recusaram a devolver a quantia aos parentes dos mortos sob a alegação de que eles não possuíam as certidões de óbito dos campos nazistas.

7 comentários:

Anônimo disse...

Bom texto.

Jean Ziegler escreveu "A Suiça Lava Mais Branco", todavia, os últimos acontecimentos estão mostrando que o vermelho do ódio está saindo da bandeira e manchando a "neutralidade" desse país.

Eduardo S disse...

Acho que no período da mais recente invasão de Israel a Gaza eu vi mais brasileiros chorando pelos palestinos do que pelos males que assolam os próprios brasileiros.

Camilla disse...

henry, adorei o texto. é realmente chocante esse tipo de violência e intolerancia. se tiver o protesto mesmo, me chama q eu vou.
beijo

Dagô disse...

Henry, Bom texto!!
Esse assunto é revoltante, são verdadeiros animais. Agora, como pode, neonazistas na Suíça ainda têm participação na política. O mais absurdo de tudo, é as autoridades ainda estarem questionando a veracidade do ocorrido.

Anônimo disse...

A historia se repete...

Nat;) disse...

Se for provado que esta agressão foi realmente feita pela própria vítima, simplesmente desisto de entender até onde vai a insanidade humana...

Anônimo disse...

Mesmo que fosse confirmado a auto mutilaçao da moça, ha neste mar de estórias , uma verdade despertada e que poucos entao prestavam atenção: o partido do povo suiço, ultra direita Suiça obteve 20 % dos votos nas ultimas eleiçoes e não por menos com conclames para um ultra nacionalismo em que deixa de fora imigrantes, e seus descendentes.

Isto não é inventado, é fato. os cartazes em que corvos negros bicam o mapa suiço foi um dos cartazes mais divulgados do referido partido.